Quais as categorias maduras e quais as promissoras no mercado de alimentos plant-based?

#plantavc #foodinnovation #plantbased

Olá pessoal, tudo bem?

Quais as categorias maduras e quais as promissoras no mercado de alimentos plant-based?

O ano de 2019 foi o ano das carnes fakes no Brasil, assim como 2018 foi o ano
das bebidas vegetais, com crescimento de 51%, segundo a Euromonitor. E para 2020,
qual será a aposta?

O Brasil é considerado o quarto mais importante mercado de alimentos saudáveis do
mundo e cresce em torno de 20% por ano, enquanto a média global é de 8%, o que indica
que ainda há muito a ser explorado por aqui, especialmente para os alimentos plant-
based, que já possuem a licença de naturalmente saudáveis.

Em plena pandemia de coronavírus, apesar do cenário econômico nebuloso,
consumidores terão uma preocupação ainda maior com a saúde e isso pode ajudar a
manter este segmento em crescimento no período pós-crise.

Uma vez que este mercado em outros países, como os Estados Unidos, já está
mais consolidado e conforme falamos no texto anterior, o mercado brasileiro pode tirar
uma lição importante: estes produtos deixam o mercado de nicho, para conquistar um
consumidor emergente da massa, que se amplifica na busca por saúde, com sabor e
conveniência. E claro, preço! (GFI, 2019).

Segundo a pesquisa realizada com nove mil brasileiros pelo The Good Food
Institute (GFI), a carne de vaca foi a mais citada por todos, seja como aquela que mais
faz falta ou como o produto que mais gostam na forma alternativa, seguida pela carne de
porco e do leite e derivados. Isso explica os mercados de substitutos da carne e do leite
liderarem em volume o mercado plant-based.

O mercado dos substitutos de carnes vem crescendo, tendo movimentado mais
de 19 bilhões de dólares no mundo nos dois últimos anos, segundo a Euromonitor e
muito se deve ao interesse por novidade dos consumidores, evidenciado pelo aumento
em 150% das buscas por “carne vegetal” de brasileiros no Google entre 2015 e 2019,
segundo a própria plataforma.

Como falei acima, seja qual for a categoria, depois de SABOR, preço e
conveniência são os fatores mais atraentes em alimentos plant-based no Brasil (GFI).
Portanto, brasileiros acertaram em cheio quando trouxeram esta variedade na forma de
hamburguer e, mais recentemente, na forma de carne módia, que são sinonimos de
praticidade. O preço? Bem, este ainda é um papo do futuro, mas com a demanda
crescente, é bem capaz que seja um próximo passo.

Um ponto de atenção para as próximas inovações no universo dos substitutos de
carne é a lista de ingredientes. Se saúde é um fator de escolha na busca pelo segmento,
há aí o risco da desconexão com uma das maiores tendências do mercado: clean label,
que se traduz na busca por alimentos mais naturais, com menos ingredientes e menos
processados. É aí que reside o desafio atual: ter um produto elaborado com proteína
alternativa, que seja saboroso, tenha poucos ingredientes e com um nível de
processamento menor. Quem lançar primeiro certamente terá uma gama de
consumidores crescentes. E mais: em tempos de crise global, este produto precisa ser
competitivo em preço e conveniência.

Já o mercado das bebidas à base de plantas, contribui com 40% do total de
alimentos plant-based nos EUA, avaliado acima de 2 bilhões de dólares, segundo dados
divulgados pelo Plant Based Foods Association (PBFA). No Brasil, a Consultoria Mordor
intelligence calcula que o mercado deverá movimentar mais de US$ 600 milhões em
2020.

Um case marcante nesta categoria é a empresa sueca de bebidas vegetais de
aveia, Oatly, já consolidada no mercado europeu. No final de 2016, a marca se lançou
em cafeterias nos EUA, depois avançou para os supermercados e hoje está presente em
mais de 2000 mercearias e milhares de cafeterias no país.

Um fato curioso, é que as empresas gigantes no setor de lácteos deram um jeito
de entrar nesta categoria através de fusões e aquisições, como é o caso da Nestlé com
Nature’s Heart, Danone com White Wave, Piracanjuba com Almond Breeze ou mesmo
criando a sua própria linha de bebidas vegetais, como é o caso da Chobani, Siggi’s,
Fairlife, Mimosa (em Portugal), Arla, entre outros.

Dentro deste mercado, as bebidas de amêndoas despontam com 65% das vendas
da categoria nos EUA e a bebida de aveia é o que mais cresce, com um aumento de
686% nas vendas também nos EUA em 2019, segundo Plant Based Foods Association
(PBFA). Já no mercado brasileiro, o mesmo se repete segundo dados da Mintel: as
bebidas de amêndoas lideram o mercado de bebidas vegetais.

Com as bebidas já estabelecidas, surge a oportunidade para seus derivados,
como iogurtes, sobremesas e queijos, com maior destaque para iogurtes que, segundo o
PBFA cresceram 31,3% em 2019, atingindo US$ 283 milhões e representando 4% da
categoria de iogurtes nos EUA – que no geral caiu 1% e, segundo a Data Bridge Market
Research, têm condições de superar os iogurtes lácteos até 2025.

No Brasil, já existem opções de iogurtes vegetais no mercado, como é o caso das
marcas Batavo, Fresco, Nomoo e Vida veg, que ainda podem explorar muito este
mercado, que vem crescendo a ponto da fabricante brasileira Vida Veg abrir uma nova
fábrica para a produção de iogurtes e shakes a base de coco, castanha de caju e
amêndoas.

Além dos substitutos de carne e de lácteos, o segmento de snacks tem
apresentado lançamentos criativos em ferias internacionais, com tímidos lançamentos no
Brasil. Atendendo à busca por um maior consumo de vegetais, sem abrir mão da
conveniência e praticidade, o desenvolvimento criativo e saboroso de snacks com
brócolis (como os da marca Frispy), grão de bico (como os da Fitfood), chips de homus
(como da Picme) e chips de coco (como os da Flormel) busca exaltar a presença dos
vegetais no produto, colocando-os como verdadeiros heróis da saúde.

Além de herói da saúde, o produto plant-based muitas vezes é colocado como
herói do planeta. Qual a sua opinião sobre isso? Vem comigo discutir no próximo texto!

Autora: Cynthia Antonaccio

O Futuro é agora. Crie, compartilhe, conecte-se. Somos a Planta.vc.

Siga-nos: Facebook: https://www.facebook.com/plantavc

Instagram: https://www.instagram.com/planta.vc

Linkedin: https://www.linkedin.com/company/planta-inovações-colaborativas

Compartilhe

Não há comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Start typing and press Enter to search

Shopping Cart
Close Bitnami banner
Bitnami